Com a digitalização da economia, cada vez é mais comum as empresas investirem em aplicativos totalmente customizados para a necessidade específica do seu negócio, seja para a gestão interna (financeira, estoque, vendas, portfólio, dentre outras) ou para uma maior integração com os seus clientes.

Porém, ao começar o planejamento para criar um aplicativo, surge logo a dúvida: ele será um web app, um aplicativo híbrido ou um aplicativo nativo?

Para esclarecer: não há apenas uma resposta correta. Na verdade, para escolher o melhor aplicativo é necessário analisar e avaliar alguns fatores como, por exemplo, quais funções que o app irá oferecer, assim como levar em consideração a boa experiência do usuário.

Para entender a diferença entre os tipos diferentes de aplicativos, nosso post de hoje irá abordar cada um deles. Vamos lá?

Aplicativo nativo

Como revela o próprio nome, é o formato de aplicativo que todos nós estamos mais acostumados e que ficam disponíveis nas App Stores. Eleé programado em uma linguagem exclusiva para cada sistema operacional, sendo os mais usuais o Android e iOS.

Por ser criado e programado exclusivamente para cada sistema operacional, o aplicativo nativo roda muito mais rápido, com maior estabilidade e com excelente desempenho. Uma outra característica é que oferece uma melhor experiência para o usuário e consegue, por exemplo, funcionar por mais tempo sem conexão com a internet, ou seja, de maneira offline.

Por ter sido criado exclusivamente para cada sistema, os aplicativos nativos conseguem se conectar diretamente com os recursos dos smartphones como, por exemplo, câmera, GPS, dentre outros.

Devido às suas características, os investimentos necessários são mais altos, assim como o tempo para desenvolvimento.

Alguns exemplos de aplicativos nativos: Instagram, Uber e o WhatsApp.

Web app

O web app, na verdade, não é um aplicativo convencional como estamos mais acostumados e ele não fica disponibilizado dentro das App Stores. Na prática é um website desenvolvido exclusivamente para dispositivos móveis. Desta forma, possui uma programação que reconhece que o usuário está acessando por um smartphone e torna-se responsivo.

Quando o objetivo é apenas apresentar determinado conteúdo ou ter presença digital no formato móvel, o web app pode ser uma opção interessante, pois seu desenvolvimento é mais barato e mais rápido.

Para acessar o web app, é preciso algum navegador como, por exemplo, o Google Chrome. Uma vantagem é que como não é necessário fazer download, não consome memória do smartphone. Porém, ele precisa que o dispositivo móvel esteja conectado à internet para seu acesso. Além disso, o web app roda de maneira mais lenta.

Aplicativo híbrido

Como revela o nome, o aplicativo híbrido contém as características dos dois anteriores: o aplicativo nativo e o web app. Ele fica disponível nas App Stores para download. Em termos de programação, apenas uma parte do código nativo é escrito para os aplicativos híbridos. Assim, no caso das diferentes App Stores, é possível que apenas uma parte do código seja reescrita.

Porém, sua utilização depende da conexão com a internet e, em comparação com os aplicativos nativos, tem uma performance mais lenta. Por ser menos complexo, é mais rápido para ser desenvolvido.

Escolhendo o seu app

Foi visto que os diferentes tipos de apps têm vantagens e desvantagens. Assim, para escolher aquele que atende melhor a determinadas necessidades, é necessário fazer uma análise avaliando quanto é possível investir, o tempo de desenvolvimento, além das funcionalidades que o aplicativo terá.

Agora que você já sabe as características de cada um dos aplicativos, que tal uma consultoria gratuita com uma empresa especializada e focada em negócios digitais? É isso que a Ubiqui faz: cria soluções para agregar valor ao seu negócio. Quer saber mais? Entre em contato conosco.